Notícias e Pesquisas

23 Mar 2020

Neste momento, Celso Russomanno aparece numericamente à frente, mas tecnicamente empatado com Bruno Covas na disputa pela Prefeitura de São Paulo

Entre os dias 17 e 19 de março, o IBOPE Inteligência, a pedido da Associação Comercial de São Paulo – ACSP, realizou pesquisa sobre as próximas eleições no município de São Paulo. Neste momento, em que as candidaturas não estão oficialmente definidas, o cenário testado considera possíveis nomes para a disputa.  

Celso Russomanno (Republicanos) aparece com 24% das intenções de voto, seguido pelo atual prefeito do município, Bruno Covas (PSDB), com 18% das menções. Ambos estão tecnicamente empatados no limite da margem de erro da pesquisa que é de 3 pontos percentuais (p.p.). Em outro patamar, Márcio França (PSB) e Guilherme Boulos (PSOL) são apontados por 9% e 6% dos paulistanos, respectivamente. Andrea Matarazzo (PSD) e Arthur do Val – Mamãe Falei (Patriota) têm 3% das menções cada, enquanto Jilmar Tatto (PT) e Joice Hasselmann (PSL) são mencionados cada um por 2% dos entrevistados. O pré-candidato Filipe Sabará (NOVO) foi citado, mas não atinge 1% das intenções de voto. Neste momento, os que declaram voto em branco ou nulo somam 27% e os indecisos totalizam 7% das menções. 

Destaques por segmentos 
Celso Russomanno se destaca sobretudo entre os eleitores com renda familiar mais baixa: atinge 34% entre os que têm renda familiar de até 1 salário mínimo e 32% entre aqueles com renda familiar de mais de 1 a 2 salários mínimos. Além disso, entre os entrevistados com idade de 25 a 34 anos aparece com 30% das menções, com 29% entre os que têm o ensino fundamental e é mencionado por 28% dos que têm o ensino médio. Nota-se, ainda, que as intenções de voto são mais acentuadas entre as mulheres do que entre os homens (27% contra 21%, respectivamente).

- Bruno Covas se sobressai entre os entrevistados com 55 anos ou mais (22%) e entre aqueles com renda familiar superior a 5 salários mínimos (27%).

- As intenções de voto em Márcio França são mais expressivas entre os mais escolarizados e entre os que têm renda familiar de mais de 2 a 5 salários mínimos (13% em cada estrato).

- Já Guilherme Boulos é mais citado pelos entrevistados com renda familiar superior a 5 salários mínimos (11%) e os que têm ensino superior (10%). 

- Os demais candidatos não apresentam destaques. 

Intenção de voto espontânea
Na pergunta espontânea, quando os entrevistados são questionados sobre sua intenção de voto sem a apresentação do nome dos pré-candidatos, 60% dos paulistanos não sabem ou preferem não indicar um nome de preferência e 24% afirmam que pretendem votar em branco ou anular o voto. O atual prefeito Bruno Covas é lembrado por 4% dos eleitores. Outros possíveis candidatos são mencionados por até 1% dos entrevistados. 

Rejeição
Pouco mais de um terço dos entrevistados (35%) afirma que não votaria de jeito nenhum em Bruno Covas e 29% mencionam não votar em Celso Russomanno. Cerca de dois em cada dez eleitores não votariam de jeito nenhum em Guilherme Boulos e em Joice Hasselmann (22% e 21%, respectivamente). Márcio França é mencionado por 18% dos paulistanos, Arthur do Val – Mamãe Falei e Jilmar Tatto, por 16% e 15%, respectivamente. Andrea Matarazzo e Filipe Sabará são preteridos por 13% dos entrevistados cada. Eleitores que declaram, de maneira espontânea, que poderiam votar em qualquer um dos pré-candidatos são 3% e os que preferem não opinar somam 14%. Nesta pergunta, os entrevistados podiam citar mais de um nome. 

Expectativa para o próximo prefeito
O IBOPE Inteligência questionou quais as expectativas dos paulistanos em relação ao próximo prefeito do município de São Paulo. Aproximadamente pouco mais de dois quintos dos eleitores (44%) gostariam que fosse eleito um candidato de fora da política. Por sua vez, 24% afirmam que esperam que o próximo candidato eleito não seja o atual prefeito, nem alguém que represente seu grupo, enquanto 20% desejam que o atual prefeito, Bruno Covas, ou alguém que represente o seu grupo seja eleito na cidade de São Paulo. Os que não sabem ou não opinam somam 12%.

Continuidade ou mudança
Pensando na forma de administrar, 36% do eleitorado espera que o próximo prefeito mantenha alguns programas, mas mude muita coisa na gestão do município, ao passo que 31% esperam que a administração municipal mude totalmente. São 15% os que gostariam que o candidato eleito fizesse poucas mudanças e desse continuidade para muita coisa e proporção semelhante (14%) espera que o próximo prefeito dê continuidade à administração atual. Aqueles que não sabem ou preferem não opinar totalizam 4%. 

Outras informações da pesquisa

Avaliação da administração municipal

A administração do prefeito Bruno Covas é avaliada como regular por 45% dos paulistanos, enquanto 32% dos eleitores avaliam negativamente (ruim ou péssima) e 20% a consideram ótima ou boa. São 3% os que não sabem ou preferem não opinar. Observa-se ainda que pouco mais da metade dos entrevistados (54%) desaprovam a forma que Bruno Covas administra o município e 38% aprovam. Aproximadamente um em cada dez paulistanos prefere não opinar. O IBOPE Inteligência também perguntou sobre as principais áreas em que a população da cidade de São Paulo vem enfrentando maiores problemas. A área da saúde é citada pela maioria dos eleitores (75%). Na sequência, aparecem a área de educação, mencionada por 44% dos entrevistados e segurança pública, apontada por 38% dos entrevistados. Estes percentuais correspondem às menções das três áreas que os entrevistados poderiam citar.  

Avaliação da administração estadual
Para 44% dos eleitores paulistanos, a avaliação da administração do governador João Dória (PSDB) é ruim ou péssima, enquanto 37% dos entrevistados a avaliam como regular e 17% como ótima ou boa. São 2% os que não opinam. 

Avaliação da administração federal
A administração do presidente Jair Bolsonaro na cidade de São Paulo é avaliada negativamente (ruim ou péssimo) por 48% dos eleitores, enquanto 26% avaliam de forma regular e 25% como ótima ou boa. Os que não sabem ou não opinam representam 1% da amostra.

DADOS DA PESQUISA

Nome da pesquisa

Pesquisa eleitora na cidade de São Paulo

Margem de erro

a margem de erro estimada é de 3 pontos percentuais para mais ou para menos sobre os resultados encontrados no total da amostra.

Tema

Administração pública

Eleições

Opinião pública

Contratante

pesquisa contratada por ASSOCIAÇÃO COMERCIAL DE SÃO PAULO – ACSP.

Período

17/03/2020 a 19/03/2020

Local

Brasil - São Paulo - SP

Amostra

foram entrevistados 1.001 votantes

Registro TRE/TSE

registrada no Tribunal Regional Eleitoral do estado de São Paulo sob o protocolo Nº SP-04052/2020

ARQUIVO(S) PARA DOWNLOAD
Pesquisa completa